Cotidiano da Recepção

mulher loira de óculos com blaiser vermelho sentada em frente a um notebook com uma caneca de café na mão.
A cena é bem típica: a recepção está lotada, o médico chegou atrasado, todos as consultas obviamente se atrasaram. Os pacientes estão inquietos, mas sempre tem aquele que fica um pouco mais alterado, e começa a reclamar com o funcionário da recepção. Diz que é um absurdo aquilo, e que se não atende na hora, para que marcar horário.

O funcionário da recepção, sempre muito cordial, explica o acontecido do atraso, mas, a reclamação continua. O paciente diz que vai ligar para o convênio porque está ali a mais de uma hora do horário marcado. Um Absurdo! Então o paciente ouve do funcionário que ele será o próximo a ser atendido e que qualquer problema, deveria reclamar com o médico.

O Médico chama o paciente e, ao entrar no consultório é: “oi tudo bem”, “beijinho pra lá, beijinho pra cá”, uma verdadeira “rasgassão” de seda. O paciente magicamente esqueceu que estava tanto tempo esperando na recepção e conversa com o médico como se nada tivesse acontecido.


Trabalhar na recepção nunca foi fácil, ainda mais em estabelecimento de saúde. As pessoas chegam passando mal, cheias de problemas; e, quem “aguenta” a má educação, o humor e/ou a cordialidade do paciente é a linha de frente do EAS: A recepção.

Imagina o cenário: o telefone tocando com ligação externas para marcação de consultas, os pacientes chegando para serem atendidos, o preenchimento de fichas e guias, a autorização de procedimentos, o médico ligando para o ramal da recepção para pedir algo. Agora imagine apenas uma pessoa fazendo isso tudo, oito horas por dia, de cinco a seis vezes por semana.


Este cenário é mais comum em hospitais de médio e pequeno porte. Não que clínicas e hospitais estejam livres disso. O que fará a diferença no bom atendimento e no controle do ambiente é o treinamento.

Enviar os funcionários da recepção para um treinamento periodicamente, os cursos de recepção, é muito importante. E não tem essa história de: - “ ah! É sempre a mesma coisa que eles falam lá”. Mas, é sempre a mesma coisa importante.

O curso não serve apenas para atualização de conhecimento. Os melhores cursos não se prendem ao ensino do trabalho em si, mas, falam sobre assuntos como: comportamento, vestimentas (porque nem toda empresa tem uniforme, e, é muito importante saber se vestir para o trabalho), maquiagem (porque a mesma maquiagem que você vai para a festa não serve para trabalhar), palavreado (saber como falar com o paciente), situações de risco (porque sempre haverá aquele paciente mais exaltado e que cria confusão). Saber isso tudo é igualmente importante do que saber sobre o trabalho que a recepção desenvolve.

Dica do portal do faturamento hospitalar: Instrução nunca é demais. Estudem! Façam o trabalho de vocês com diferencial.

Comentários

  1. Verdade, hoje dou faturista , mas durante muito tempo eu fui recepcionista e não foi fácil , porém cresci muito profissionalmente e aprendi avtranalhar minha tolerância e paciência .

    ResponderExcluir
  2. É muito difícil trabalhar na recepção. Mas, acho que alguns lugares não treinam corretamente os funcionários.

    ResponderExcluir
  3. Trabalho em recepção ha 10 anos. nunca foi facil., mesmo assim gosto muito

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade
      Vc trabalha em qual hospital , qyalé sua cidade

      Excluir

Postar um comentário

Deixe seu comentário aqui.

Não Encontrou o que Procurava? Pesquise Aqui!

Top 10 da semana!

Faturamento, o fim